A Prefeitura Municipal de Barra do Choça tem buscado enfrentar a Pandemia do novo Coronavírus seguindo as medidas estabelecidas pelos órgãos sanitários para a prevenção da saúde dos cidadãos e também levando em conta o funcionamento das atividades comerciais.

No entanto, nas últimas semanas, a disparada no número de casos em Barra do Choça levou o alerta ao máximo possível, e não só a nível local, mas também tem gerado grande preocupação no Governo do Estado.

Até a última atualização, eram 146 casos confirmados num município com cerca de 35 mil habitantes, o que é algo alarmante.

O prefeito Adiodato Araújo, cumprindo as determinações do Governo da Bahia, deve interromper imediatamente, por meio de decreto, todas as atividades comerciais de Barra do Choça, até que se consiga diminuir a contaminação, achatar a curva de crescimento dos casos na cidade e recuperar o máximo de pessoas que já estão infectadas.

O decreto será em consonância com a minuta que foi enviada ao prefeito Adiodato pelo governador Rui Costa, pois, para cumprimento das medidas a Polícia Militar e a Especializada da Bahia devem apoiar significativamente as ações de fiscalização, controle e penalidade.

Busca-se compreensão e discernimento por parte da população, dos comerciantes e das pessoas infectadas, pois neste momento não adianta pressionar o poder público municipal seja pela abertura ou fechamento do comércio, ou de fiscalização no cumprimento do distanciamento social, que já é uma medida que faz parte do conhecimento de todos há mais de três meses e infelizmente ainda é negligenciada.

São várias as opiniões diante do assunto, mas o principal neste momento é seguir as recomendações científicas e cumprir aquilo que é determinado, sob pena de não contar com recursos para lidar com o agravamento da situação da pandemia no município. O importante agora, é preservar a saúde e a vida da população barrachocense.

Obs.: Por respeito ao comerciante que compra suas mercadorias antecipadamente, a feira livre acontecerá amanhã cumprindo as medidas de higiene e recomenda-se que grupos de risco não devem ir às compras.